MINI-HANDEBOL BRASIL
Logo CBHb fundo cinza site.png

O QUE É O MINI-HANDEBOL

O mini-handebol é uma atividade de iniciação aos princípios do handebol, que visa trabalhar de forma adaptada, lúdica e integral todo o processo de ensino dos movimentos, ações, aplicações e particularidades dos mesmos aos jogos com ou sem bola para crianças de 5 a 10 anos de idade.


Mais do que um jogo, o mini-handebol é uma filosofia que valoriza o jogo infantil, isto é, inclui prazer, diversão, aventura e, por outro lado, orienta-se no sentido da metodologia e da didática da Educação Física e desportiva para crianças do primeiro ciclo do ensino básico (5 a 10 anos de idade), sendo adaptável tanto à escola como aos clubes (Garcia, 2001). 


Por meio de jogos, brincadeiras, exercícios, situações e atividades que respeitem as características, individualidades e necessidades das crianças, o mini-handebol preza pelo desenvolvimento global do indivíduo, ou seja, atua de maneira intensa no desenvolvimento das capacidades e habilidades:

  • Físicas;

  • Motoras, 

  • Cognitivas;

  • Socioafetivas;

  • Educacionais;

  • Esportivas;

  • Culturais.


E tudo é pensando, planejado e executado por meio de atividades que sejam agradáveis, prazerosas e significativas às crianças.


Ao mesmo tempo em que o mini-handebol é fácil de jogar, justamente por envolver habilidades fundamentais e regras simples, se mostra versátil e dinâmico em relação a contemplar diversos objetivos, podendo ser explorado tanto em escolas quanto em clubes e projetos sociais, com propostas que tem poder educativo, esportivo, social e formativo. 


O principal objetivo do mini-handebol é ser uma atividade que proporcione às crianças as condições e experiências mais variadas, positivas e ricas possíveis, sem se importar com treinamentos rígidos, táticas ou placares de jogos, ou seja, o mini-handebol é uma atividade que deve ser incentivada a ser praticada com e por prazer em prol da formação do cidadão, construção do conhecimento e desenvolvimento integral das crianças.


Caracterizada por ser uma atividade feita na medida para as crianças, as atividades práticas são repletas de adaptações que possam contribuir para o melhor andamento e desenvolvimento do processo pedagógico. Itens como: bola, número de jogadores, traves, tamanho de quadra etc. são somente alguns itens que foram adaptados do handebol.
A seguir algumas informações bem legais para você que quer conhecer mais sobre o mini-handebol.

ORIGEM DO MINI-HANDEBOL:


O mini-handebol surgiu na Dinamarca, no início da década de 1970.


Muitos líderes do handebol descobriram que o jogo de handebol estava evoluindo em uma direção infeliz. O jogo não era muito popular entre as crianças mais novas e era difícil convencer crianças, pais e escola a praticar a modalidade.


Diversos lugares do país tomaram a iniciativa de desenvolver um jogo que atendesse de forma positiva as crianças menores. Comum aos experimentos era o desejo de criar um jogo baseado no desenvolvimento físico e intelectual da criança. O jogo deve ter o caráter do jogo, deve ser divertido de participar e deve ser divertido para crianças menores. Em 1975, o Comitê de Instrução da DHF fez um folheto, pela primeira vez para o grande público e assim surgiu o mini-handebol.

 

FILOSOFIAS DO MINI-HANDEBOL


Alguns fatores são essenciais para que as ações com o mini-handebol alcancem êxito, tais como:

  • Pouca competição e muita diversão;

  • Captação de novos praticantes para o handebol e novas possibilidades mediante ao número crescente de praticantes;

  • Aprendizado rico e planejado;

  • Ampliação da cultura corporal do movimento;

  • Promover o desenvolvimento integral das crianças.

  • Adaptar as atividades além do material. Somente adaptações físicas e materiais não garantem experiência e aprendizagem adequada.


IDADES E CATEGORIAS:

Qualquer criança de 05 a 10 anos de idade pode jogar mini-handebol, sendo que atualmente as idades são divididas da seguinte forma:


Mini A: 5 e 6 anos de idade;
Mini B: 7 e 8 anos de idade;
Mini C: 9 e 10 anos de idade.
As idades foram determinadas desta forma por dois motivos principais:

 

  1. Contemplam todas as idades das crianças do 1° ao 5° ano do Ensino Fundamental Anos Iniciais da educação básica;

  2. As crianças de 5 anos de idade aparecem pela primeira vez em nossas categorias justamente nesta publicação, pois em 2019 muitas pesquisas e ações foram feitas com esta configuração de categorias no Brasil e no mundo com resultados extremamente positivos, tanto em aulas quando em festivais.

DIMENSÕES DA QUADRA DE MINI-HANDEBOL:
Conforme já citado, o mini-handebol é uma atividade adaptada na medida para as crianças, portanto as medidas recomendadas para a prática são:

  • O comprimento da quadra deverá ter aproximadamente 20 metros;

  • A largura da quadra deverá ter aproximadamente 12 a 13 metros;

  • A área de gol do mini-handebol deve ser demarcada com um semicírculo de 4,5 a 5 metros de raio distante da baliza;

  • A linha de pênalti deve ser 6 metros distante da baliza;

  • A linha de tiro livre deve ser demarcada 8 metros distante da baliza;

  • O terreno de jogo e as demarcações podem ser feitos de qualquer tipo de material, desde que não ofereça riscos tanto às crianças quanto à própria realização das partidas.

BALIZAS (TRAVES):


Podem ser feitas com diversos materiais (madeira, ferro, bambu, fitas, tubos de PVC etc.) e suas medidas devem ter entre 1,60 a 1,80 metros de altura por 2,40 a 3 metros de largura. 
Na Europa utiliza-se muito as medidas de 1,70 metros de altura por 2,40 metros de largura para todas as categorias.
As medidas do banner de adaptação que vemos na Foto 2 são: 3,24 m de largura x 42 cm de altura e pode ser fixa na trave com fitas resistentes.

EQUIPES:


São quatro crianças na “linha” e um goleiro(a), sendo que todas podem atuar como goleiro(a) no decorrer da partida, basta avisar o árbitro ou a equipe adversária (caso não tenha árbitro). 
Independentemente do número recomendando acima nada impede que sejam montadas equipes com quatro ou seis jogadores. Equipes mistas são usadas em as aulas e jogos. 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

Sempre devemos considerar que as crianças devam jogar o máximo de tempo possível durante as atividades e que o fato de somente uma criança ser “reserva” nessa fase possa ser negativo em relação à diversos aspectos.
Nos eventos de mini-handebol não há reservas nas equipes, de forma que todas as crianças jogam e brincam o tempo inteiro, aproveitando ao máximo e todas as atividades proporcionadas. 

BOLAS:


Deve ser fácil de manejar, feita de material macio e quicar de maneira adequada ao solo. As bolas ideais para cada categoria do mini-handebol são: 
Mini A: Bola tamanho “Zero-Zero” ou tamanho 8 de iniciação esportiva.
Mini B: Bola tamanho “Zero” ou tamanho 10 de iniciação esportiva.

Mini C: Bola tamanho “Zero” ou tamanho 10 de iniciação esportiva.

 

 

 

 

 

CONTAGEM DO PLACAR:


Há três possibilidades principais:
1.    Sem contagem: sistema mais utilizado em todo mundo e usado na categoria A (5 e 6 anos);
2.    Contagem por sets (semelhante ao do voleibol): Usado na categoria B (7 e 8 anos);
3.    Contagem progressiva tradicional: Usado somente na categoria C (9 e 10 anos);

Em breve lançaremos o livro “Mini-Handebol Brasil”

com muitas outras informações, aguardem!

Slide2.PNG
Slide4.PNG
Slide6.PNG
Slide5.PNG
APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA

​​O que é o Mini-Handebol Brasil?


O Mini-Handebol Brasil é o Programa de Desenvolvimento Nacional do Mini-Handebol oficial da Confederação Brasileira de Handebol.

Quem desenvolveu o programa?


O programa foi desenvolvido pela diretoria de mini-handebol em conjunto com todas as diretorias da Confederação Brasileira de Handebol.

Quais são os objetivos do Mini-Handebol Brasil?


São 5 objetivos principais:

1°: Popularizar o mini-handebol em todo território nacional, por meio do apoio/chancela aos polos, promoção de cursos de diversos tipos e programas continuados de capacitação de professoras e professores, realização de festivais, organização de encontros virtuais e presenciais acadêmicos nacionais e internacionais entre muitas outras ações possíveis e previstas.

2°: Proporcionar para as crianças de 05 a 10 anos de idade a oportunidade vivenciar, aprender e se desenvolver por meio do mini-handebol de maneira embasada, lúdica e positiva, em todo Brasil.

3°: Promover um programa de formação de professoras e professores de forma progressiva e constante, auxiliando os responsáveis de cada unidade do Mini-Handebol Brasil nas ações pedagógicas de cada unidade chancelada.

4°: Aumentar de maneira quantitativa e qualitativa o número de pessoas envolvidas com mini-handebol e handebol, promovendo ações em prol de toda comunidade do programa Mini-Handebol Brasil, tais como: oferecer palestras periódicas para as famílias, proporcionar vivências diversas para as crianças, realizar workshops em escolas, clubes e instituições que se interessem pelo mini-handebol, incentivar eventos e jogos de mini-handebol antes, durante e depois de jogos de handebol, elaborar materiais didáticos para escolas, cursos de educação física, federações etc.

5°: Criar uma rede de cooperação do mini-handebol entre instituições e profissionais de todo Brasil, multiplicando conhecimentos, experiências, práticas e teorias acerca da modalidade.

 

Ter uma chancela oficial do "Mini-Handebol Brasil" significa:


1°: Ser reconhecida nacionalmente como uma unidade oficial e certificada da Confederação Brasileira de Handebol.

2°: Receber periodicamente: cursos, consultorias e certificações de maneira gratuita e oficial.

3°: Receber material pedagógico variado para as aulas e eventos, tais como: adaptações personalizadas de traves para o mini-handebol, banners com brincadeiras diversas em aula e material gráfico completo para divulgação e personalização de quadras com o logotipo do programa Mini-Handebol Brasil.

4°: Estar apto a receber suporte material e financeiro quando conquistados patrocínios, incentivos governamentais etc.

5°: Por meio da oficialização da chancela ser polo oficial e de referência da modalidade em sua região.

6°: Ter mais visibilidade e possibilidades de ações mediante a parceria, podendo a instituição chancelada inclusive utilizar a logomarca e o nome da Confederação Brasileira de Handebol para conquistar patrocínios e apoios individuais para cada polo.

7°: Cooperações pedagógicas virtuais e presenciais com a COSCABAL - Confederação Sul Centro Americana de Handebol e EHF - European Handball Federation, por meio de cursos, palestras e encontros diversos.


Metas em relação à quantidade de polos:

Contemplar com a chancela oficial em 2021 aproximadamente três polos que reúnam as condições preconizadas deste edital em cada Estado brasileiro e Distrito Federal.

Contemplar com a chancela oficial em 2022 aproximadamente mais três unidades que reúnam as condições do presente edital em cada Estado brasileiro e Distrito Federal, além de renovar a chancela das unidades já participantes do programa (totalizando 6 polos em cada Estado brasileiro e Distrito Federal).

Contemplar com a chancela oficial em 2023 aproximadamente mais três unidades que reúnam as condições do presente edital em cada Estado brasileiro e Distrito Federal, além de renovar a chancela das unidades já participantes do programa (totalizando 9 polos em cada Estado brasileiro e Distrito Federal).

Contemplar com a chancela oficial em 2024 aproximadamente mais três unidades que reúnam as condições do presente edital em cada Estado brasileiro e Distrito Federal, além de renovar a chancela das unidades já participantes do programa (totalizando 12 polos em cada Estado brasileiro e Distrito Federal).

Metas em relação aos cursos e formação continuada:

Promover anualmente 2 grandes cursos abertos oficiais de mini-handebol, gratuitos e com certificado de participação da Confederação Brasileira de Handebol para qualquer estudante, professora, professor e demais interessados.

Incentivar cursos de educação física a incluir o mini-handebol em suas grades e projetos pedagógicos, por meio de reuniões, parcerias e envio de materiais didático-pedagógicos.

Realizar encontros trimestrais oficiais com os responsáveis, professores e professoras de cada polo do projeto para contemplar o programa de formação continuada.

Organizar anualmente o Encontro Nacional de Mini-Handebol em momentos formativos e cooperativos com a COSCABAL - Confederação Sul Centro Americana de Handebol e EHF - European Handball Federation.


Requisitos mínimos para aprovação da chancela:

Em relação à instituição
1. A instituição interessada obrigatoriamente já deve ter o mini-handebol em seu projeto pedagógico ou ter um projeto aprovado para início imediato.

2. Deve ter acesso periódico a uma quadra ou ginásio em boas condições e que ofereça segurança nas aulas e eventos de mini-handebol.

3. Deve ter materiais básicos para realização das aulas, tais como: bolas de mini-handebol ou iniciação, coletes, cones etc.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 

 

Em relação ao professor/professora

1. O professor ou professora responsável pelas aulas deverá ser formado em educação física.

2. Deve por meio deste formulário comprovar os trabalhos, estudos e ações junto ao mini-handebol.

3. Deve ser registrado no Conselho Regional de Educação Física - CREF.

- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - 
Em relação à parceria entre a instituição e Confederação Brasileira de Handebol

1. Reconhecer que no presente momento a parceria não envolve remuneração ou aporte financeiro (ou qualquer vínculo jurídico (trabalhista, fiscal, civil...) de ambas as partes, sendo um programa de cooperação para o desenvolvimento da modalidade.

2. Compreender que o programa visa estabelecer relação de cooperação, solidariedade e respeito em prol das crianças, professores, professoras e da própria modalidade.

3. Que a instituição deverá personalizar as aulas com os materiais específicos do programa de forma a fortalecer os vínculos, dar visibilidade ao programa e divulgar de maneira constante o mini-handebol.

Para instituições que ainda não possuem o mini-handebol:


1.    A Confederação Brasileira de Handebol, por meio de seu programa de desenvolvimento do mini-handebol promoverá cursos, capacitações e assessorias personalizadas para viabilizar a abertura de novos polos em todo Brasil.

2. Dúvidas? Envie um e-mail para minihandebol@cbhb.org.br
 

LINKS PARA INSCRIÇÃO

Link para instituições que já possuem o mini-handebol e querem solicitar uma chancela oficial: 
https://forms.gle/FA3oHDawf2mzKVRt8

Link para instituições que não possuem o mini-handebol e querem solicitar uma chancela oficial:
https://forms.gle/1QBqiV3xD5VwLAKU7